terça-feira, 21 de abril de 2009

Super Bock é o novo patrocinador leonino

O auditório do Estádio José Alvalade foi o palco escolhido para a assinatura, e apresentação, da parceria entre o Sporting e a Unicer, empresa detentora da marca de cerveja Super Bock. Este acordo, válido para as próximas quatro épocas desportivas, prevê a inscrição da marca nas camisolas e equipamentos de jogo, de treino e de saída das equipas de Futebol e Futsal do Clube, bem como a presença da marca Vitalis nos equipamentos das equipas de Andebol e de Atletismo. Este acordo inclui ainda a colocação de decoração e de visibilidade da Super Bock no Estádio José Alvalade, na Academia Sporting/Puma, nas conferências de imprensa e em eventos a realizar junto dos adeptos e associados «leoninos».Filipe Soares Franco, após a assinatura do acordo e ao lado de António Pires de Lima, presidente executivo da Unicer, realçou a «lisura e a honestidade da Unicer em todo o processo. A Unicer surgiu num momento muito importante, pois era público que tínhamos perdido um patrocinador e que estava à procura de uma empresa substituta, além da actual conjuntura económica global. Nunca, durante toda esta negociação, sentimos qualquer tentativa de aproveitamento desta situação, algo que ficará na minha alma, bem como, seguramente, ficará gravado no Sporting. Estamos muito satisfeitos, até porque uma parceria é uma das melhores coisas que se pode fazer na vida. Vamos fazer tudo para a consolidar ainda mais no futuro".António Pires de Lima salientou a «honra da Super Bock em associar-se a uma instituição desportiva com a dimensão e os valores do Sporting Clube de Portugal, um Clube que ultrapassa o futebol, através dos feitos das suas modalidades. Não esqueço aquela madrugada em 1984, em que todos os portugueses vibraram com a vitória de um atleta sportinguista, Carlos Lopes. Devo dizer até que esse feito serviu-me muitas vezes de inspiração nos momentos mais complicados na minha vida profissional. Esta parceira surgiu de uma oportunidade existente, mas também do facto de, há dois anos, decidirmos apostar no futebol como forma de consolidar a liderança da marca no mercado português. Ao contrário de outros, a Unicer e a Super Bock não desvaloriza a importância do Sporting e reforço o orgulho pessoal e da empresa neste momento de ligação com o Clube, bem como a convicção de que o Sporting pode contar connosco em todos os momentos: nos bons e nos menos bons também».No final, um brinde à parceria, com cerveja, e a oferta, por parte de Filipe Soares Franco de uma camisola com o nome do seu homólogo da Unicer, bem como já com a inscrição Super Bock. Por seu lado, Pires de Lima ofereceu um exemplar do livro «Dois dedos de espuma», que relata a história da empresa, bem como um vinho de 63, referindo que «a Unicer também faz vinho e este é do ano da inauguração da nossa fábrica em Leça do Balio».

João Moutinho revovou até 2014

O médio «leonino», João Moutinho, renovou, ao fim da tarde de segunda-feira, o seu vínculo contratual com a Sporting, SAD até 2014.
O novo contrato de João Moutinho tem uma cláusula de rescisão de 22,5 milhões de euros.

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Guimarães 1 SPORTING 2

Mais uma excelente vitória numa deslocação tradicionalmente difícil.

O Sporting que começou o jogo com 7 portugueses (Patrício, Carriço, Caneira, Adrien Silva, Veloso, Moutinho e Pereirinha) e 4 brasileiros (Pedro Silva, Polga, Derlei e Liedsohow) depois de estar injustamente a perder por 1-0 deu a volta ao marcador nos últimos 10 minutos com muito querer e com muita vontade de ganhar e repor justiça no que se estava a passar. Golos de Derlei e Liedson numa noite em que a arma secreta foi o "Ronny". Grande apoio na curva SPORTING reconhecido pelos atletas e dirigentes, entregando as camisolas à curva. É com este querer e com este reconhecimento que temos que encarar todos os jogos se queremos ser campeões!

Para acabar quero dar duas notas:

* Uma positiva para Paulo Bento, um homem muito criticado durante a época, mas para mim o único a defender o SPORTING como ninguém. Para mim era já a renovação (resta é saber se ele agora quer);

* Uma negativa para a arbitragem portuguesa, nem sequer vou dizer o nome daquele sr. do apito, vou mesmo dar a nota negativa ao sr. Vítor Pereira, que aos poucos está a conseguir o que disse, retirar público dos estádios. Esta jornada dou como exemplos o golo anulado ao Sporting (mais um), o amarelo ao Moutinho e aquele lance para penálti no Académica-Porto quando ainda estava 0-0 e estávamos nos descontos para o intervalo...
declarações de P.Bento:

Paulo Bento: "Não me vão calar"Em declarações à flash-interview da RTP, Paulo Bento elogiou a solidariedade da equipa que permitiu ao Sporting chegar ao triunfo, deixando largas críticas à equipa de arbitragem liderada por Bruno Paixão devido ao golo mal invalidado a Daniel Carriço e aos amarelos mostrados a Moutinho e Derlei."Penso acima de tudo que assistimos a um grande jogo de futebol. Na primeira parte penso que fomos melhores, tivemos quatro ou cinco ocasiões de golo, tivemos duas bolas nos postes, duas intervenções do Nilson muito boas e é um facto que também consentimos duas situações de golo ao Vitória, mas penso que seria mais justo estarmos a ganhar. Depois uma segunda parte onde sofremos um golo na primeira vez que o Vitória chegou à nossa baliza. Tivemos momentos difíceis depois, mas continuámos a acreditar. Foi uma vitória que, na primeira parte, esteve mais alicerçada na qualidade de jogo, e na segunda parte pelo querer, o sacrifício e o espírito de equipa. Só uma equipa solidária e organizada podia dar a volta ao resulta da forma como deu, num campo difícil e num ambiente bom mas também difícil. Ainda para mais com muitas condicionantes ao longo do jogo. Devíamos ter chegado ao intervalo a ganhar. Não o fizemos porque não nos deixaram. Há demasiados golos anulados ao Sporting esta época", vincou.O treinador dos «leões» acabou por ser expulso da partida por palavras, mas garante que não se irá calar. "No critério disciplinar tínhamos vários jogadores com quatro cartões. Se o senhor do apito tem ido a Alcochete e tem entrado no posto médico tinha dado amarelo ao Rochemback e ao Grimi, para ficarem suspensos. Eles sabem quem tem quatro amarelos. O Moutinho fez uma falta e viu cartão amarelo. Andava a aguentar há muito tempo. Não vamos ter Moutinho, nem Derlei, nem o Paulo bento, mas vamos ganhar ao Estrela da amadora. Se há dia em que vamos ter um ambiente extraordinário em Alvalade, esse dia é sábado. Quando vi o cartão amarelo ao Miguel Veloso depois ao João Alves disse que o jogo ia ficar estragado. Ele não sabe fazer outra coisa. Depois de brincarem com o esforço dos jogadores, vou continuar a falar. Se tiver de treinar sem receber, não faz mal, mas não me vão calar", exprimiu.
Agora é cumprir as palavras do P.Bento e encher ALVALADE no sábado ás 20.30h contra o Estrela.
Bilhtes a 5,00€ para sócios JL e 10,00€ para não sócios. Reserva Já!!!

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Soares Franco vs Dias Cunha

Ao dar uma passagem pelo blog "Sangue Leonino" vi este post e não tinha alternativa senão o divulgar:

Um debate sem respostas

"Primeiro devo dizer que Filipe Soares Franco deu uma goleada a António Dias da Cunha a nível de preparação, retórica e comunicação.
O FSF veio preparado para o debate e o objectivo era só um: destabilizar Dias da Cunha e descredibilizar-lo e penso que conseguiu plenamente o que pretendia.Quem saíram a perder foram os sócios já que muito pouco se escalreceu. Sabendo que geralemente as pessoas só se lembram de 20% do conteúdo de um discurso e fixam muito mais o lado visual do debate, o que é que as pessoas vão relembrar?
Será mais ou menos isto:
O Dias da Cunha é que é o culpado do buraco financeiro e dos problemas actuais do Sporting;
O Dias da Cunha assinou contratos sem comprender o que assinava;
O Dias da Cunha não se lembra nem de números nem de detalhes importantes do que se passou;
Aonde o Filipe Soares Franco se baseava em documentos oficiais do Sporting Clube de Portugal, Dias da Cunha refugiava-se em documentos obscuros e aonde certos nunca foram destinados a ser públicos;
Afinal de contas o Dias da Cunha está senil e a única esperança que sobra para o Sporting é o Filipe Soares Franco.Embora tenha de admitir que Dias da Cunha contribuiu mais para reforçar a posição de Filipe Soares Franco do para outra coisa, penso que Filipe Soares Franco não foi honesto no seu debate, atacou constantemente Dias da Cunha de maneira subtil porque conhece bem o seu opositor e sabe como o destabilizar.O problema de Dias da Cunha reside no facto de este não aceitar que a sua memória já não é a mesma de há 15 ou 20 anos e que precisa de documentos e de uma boa preparação para fazer frente a um Filipe Soares Franco que sabendo da importancia do debate preparou-se muitissimo bem.
Agora aqui vai o que o debate realmente divulgou e o que relamente foi dito ou não:
Filipe Soares Franco foi Vice-Presidente do António Dias da Cunha com participações nas diversas sociedades do Universo Leonino, como é que FSF pode declarar não ter conhecimento do buraco financeiro, e só depois de Dias da Cunha ter voltado do Moçambique é que tal buraco apareceu, metendo medo a Ernesto Ferreira de maneira que este não se candidatasse e deixase caminho aberto a Soares Franco? Ou seja em nem 15 dias apareceu o tal buraco, quando em 2 anos ninguém o tinha visto.
Dias da Cunha entre dois ataques conseguiu fazer algumas perguntas que ficaram sem resposta mas que são fundamentais:
*Aonde está o dinheiro da venda de património não desportivo, da venda de Nani e das receitas de 3 anos seguidos na Champions?
*Como é que o FSF vai impedir que o Sporting Clube de Portugal perca a maioria na SAD?
A essas 2 perguntas FSF chutou para canto e conseguiu guardar a bola fora dos 16 metros, sem por isso dar respostas satisfatórias.A primeira pergunta limitou-se a questionar a credibilidade do movimento Leão de Verdade, sem responder a questáo que era pertinente e justificada.A segunda penso que era importante os sócios perceberem a verdadeira e única natureza dos VMOC's.O FSF sabe que para adquirir novos investidores, o Sporting terá forçosamente que abdicar da maioria na SAD, pois quem é que está disposto a investir dinheiro numa sociedade, sem ter o controlo sobre a maneira como esta é gerida?
Os VMOC são uma solução subtil para que tal aconteça, fazemos as contas juntos:
O Sporting vai baixar o preço das acções com a emissão de novo capital por 20 mio de EUR;
O investimento será feito a partir da venda de VMOC por 55 mio de EUR
Para garantir o valor da SAD, os direitos do Estádio (bilheteira, concertos etc) e a Academia passará para a SAD. O seja o todo o activo e passivo do Sporting estará na SAD (o que ficará no Clube?)
Depois desta operação o Sporting terá sempre 50,1% do capital da SADAté aqui tudo bem, só que o que o Dr. Filipe Soares Franco não disse é que se o Sporting não conseguir rembolsar 60 mio de EUR dos VMOC em 5 anos (capital + juros) os investidores poderão obtar por convertir a divida que detém em acções da SAD leonina.Visto o número limitado das acções no mercado (o número marginal que está em circulação não chega para cobrir os 60 mio), o Sporting terá por força de abdicar das suas acções em favor dos investidores, logo deixará de ter a maioria na SAD.O exemplo dado pelo FSF é correcto desde que os VMOC's sejam rembolsados e não convertidos em acções. Afinal toda está jogada não é nada mais do que uma OPA sobre o Sporting favoravél aos investidores já que receberão as acções a um preço fixo de 1 € (bastante abaixo da quotação actual e probavélmente da quotação futura), e isto sem que os sócios tenhem algo a dizer!Repito para que seja bem claro:
Os sócios não terão nada a dizer! Porquê?
Os sócios são sócios do Sporting Clube de Portugal e não da SAD
O Património passa a pertencer à SAD
Os estatutos do Clube não se aplicam à SADVisto que o Sporting Clube de Portugal deixará de ter a maioria na SAD, e que nada poderá ser feito para evitar a conversão dos VMOC's pois o Sporting assinará o contrato de emissão logo será obrigado a cumprir o que ali está estipulado.Todos sabem que os estatutos do Sporting Clube de Portugal exigem que qualquer estádio do Sporting Clube de Portugal terá de ter o nome de José de Alvaldade. A partir do momento aonde os direitos do Estádio transitarem para a SAD, nada impede à SAD de por o nome do Estádio à venda assim depois da Academia Puma, poderemos ter o Estádio Coca-Cola, Viagra ou probavelmente Rennie ou Compensan.Ninguém se ilude, a próxima assembleia é vital para o Sporting, votar SIM é abrir o caminho para o fim do que o Sporting Clube de Portugal representa.Pode até ser que o caminho do FSF seja o único possivel, mas antes de tomar uma decisão irreversivél gostaria que tal se passasse depois das eleições, gostaria de saber se a direcção de FSF diminuiu efectivamente o passivo, já que vendemos jogadores e investimos muito pouco nos útlimos anos, logo se o passivo aumentou esta direcção terá sida pior do que a anterior.Uma vez as perguntas sobre as contas actuais do clube eslarecidas, então sim deveremos tomar uma decisão!O FSF já tinha dito que vender o património desportivo seria a única solução para a sustentabilidade do Sporting Clube de Portugal, e o que é que vemos hoje? O passivo practicamente não diminuiu.Quem me garante do sucesso deste caminho? Depois de vender a nossa alma, o que é que nos resta?O facto do Dias da Cunha não ser bom em retórica, não impede que tenha razão quando ao falso rumo que o Sporting está a levar.Não sei se o meu post terá algum impacto, sinceramente pouco me importa, mas o que importa é que tenha tentado algo.Eu moro no Luxemburgo, sou sócio correspondente, não tenho direito de voto e mesmo que tivesse não poderia me deslocar a Portugal para ir votar...mas voceses podem!Os sócios tem como dever de salveguardar os interesses superiores do Sporting Clube de Portugal!
Devem todos ir votar, votem todos NÃO!
N.B: Se de facto o Dias da Cunha tinha já vendido o património não desportivo nos ditos contratos, então os contratos são nulos. Os estatutos do Sporting Clube de Portugal são claros! A venda de património tem ser avalizada por maioria de 2/3 dos sócios. Se foi o Dias da Cunha que vendeu o património, porque foi então preciso tanta romaria para comsumir o que estava acordado?Essa clausula é pura e simplesmente inválida já que ultrapassa os poderes de quem assinou e os bancos sabem disso, e foi por isso que nunca obrigaram o Sporting a cumprir.Embora a explicação do Dias da Cunha tivesse sido confusa, é a única correcta porque o Dias na Cunha não tinha o poder de vender o património do Sporting sem acordo dos sócios, da mesma maneira que o FSF não o pode fazer hoje.Então porque será?
P.P.S: Vamos fazer um bocado de contas:
O capital actual é de 42.000.000 €:
*Redução de capital para 21.000.000€
*Aumento de capital de 20.000.000€ para 41.000.000€
*Aumento de capital de 41.000.000€ para 96.000.000€ por intermedio do lançamento de VMOC's no valor de 55.000.000€.Neste caso o Sporting continua com a maioria na SAD, logo o que acontecrá quando se os investidores decidirem de transformar os 55.000.000 € de VMOC's em acções?
Aonde fica a maioria do clube?
Saudações leoninas
Mindo"
Um grande abraço daqui da Moita para o Luxemburgo, em especial para ti Mindo e da nossa parte podes ter a certeza: VAMOS VOTAR NÃO!
O SPORTING é dos sócios!!! O SPORTING é nosso!!!